CA-125

Sinônimo: CA-OV, neoplasias de ovário e endométrio

Resultado: 24 horas

Coleta: Jejum não obrigatório. Deve ser dosado de preferência nos primeiros dias do ciclo menstrual.

Código SUS: 0202031217

Código CBHPM: 4.03.16.37-8

Interpretação:
Monitoramento de câncer ginecológico; avaliação de processos metastáticos de origem desconhecida.
O CA 125 é um antígeno oncofetal com alto PM, correspondendo a glicoproteínas produzidas pelas células epiteliais ovarianas. Cerca de 1% da população geral e 6% dos indivíduos com patologias benignas podem apresentar discretas elevações de CA 125. Por outro lado, cerca de 80% dos pacientes com carcinoma ovariano apresentam elevações nos níveis séricos de CA 125, que parecem correlacionar com a extensão do tumor e prognóstico da doença. Mais de 50% dos casos de carcinoma ovariano são de origem epitelial. Seus níveis também podem se encontrar elevados em neoplasias ginecológicas não-malignas, e metástases de mama, cólon, pâncreas e pulmão. Seu principal uso se associa ao monitoramento de resposta ao tratamento de carcinoma ovariano. Níveis que não normalizam são indicativos de focos residuais. Aumento de níveis após tratamento ou cirurgia quase sempre representam recidiva do tumor. Contudo, alguns casos de recidiva ou presença de massa residual não elevam os níveis de CA 125. Adicionalmente, níveis elevados de CA 125 em períodos pós-cirúrgicos podem ser associados a sinal de menor prognóstico.
A concentração sérica do CA 125 é superior a 35 U/mL em aproximadamente 80% das mulheres com carcinoma do ovário, 26% das mulheres com tumores benignos de ovário e em 66% de pacientes em condições não-neoplásicas, inclusive o primeiro trimestre da gravidez, fase folicular do ciclo menstrual, endometrioses, miomas uterinos, salpingites agudas, tuberculose pélvico-peritoneal, cirrose hepática, pancreatites e inflamações do peritônio, do pericárdio e da pleura.

É o marcador bioquímico  mais utilizado com propósito de diagnóstico da Endometriose. Deve ser solicitado logo na primeira suspeita da doença.  A dosagem do CA-125 facilita a orientação terapêutica, principalmente se a razão da dor pélvica ou da infertilidade for inconclusiva.

O CA 125 pode ser utilizado no seguimento de várias patologias ginecológicas:

a) Endometriose: o grau de elevação do CA 125 varia com a severidade da doença, sendo a positividade de 8%, 19,6%, 44,7% e 86,7% nos estágios I, II, III e IV (>100 U/mL), respectivamente. Os níveis séricos correlacionam-se com o curso clínico da doença, havendo queda significativa após tratamento clínico ou cirúrgico.

b) Câncer de endométrio: há aumento de CA 125 em 22,4% dos casos nos estágios I e II e em 81,8%, nos estádios III e IV . A elevação pré-operatória é indicativa de acometimento extra-uterino em 95% dos casos, isto é, pode ser usado como indicador de malignidade em adição aos fatores de risco clássicos: tipo histológico, diferenciação do tumor, invasão miométrio e invasão vascular.

Obs.:Valores elevados de CA 125 podem ser observados em cerca de 20% das gestantes, predominantemente no primeiro trimestre de gestação. Há elevação dos níveis de CA 125 durante o período menstrual, porém só raramente ultrapassam os valores de referência. Tumores de pâncreas, estômago, fígado, cólon, reto, mama e pulmão, teratomas, linfoma não-Hodgkin,  neoplasias uroepiteliais, de endocérvix, de próstata, rabdomiossarcoma de útero, mesotelioma, carcinoma peritoneal primário, Síndrome de Meigs, Doença Inflamatória Pélvica e cirrose hepática, entre outras,  podem elevar o CA 125.

Referência: até  35 U/ml, podendo ser considerado 65 U/ml quando o objetivo é uma maior especificidade.