Análise Molecular de polimorfismo 4G/5G no gene PAI-1

Resultado: 5 dia(s)

Temperatura: Refrigerado

Coleta: Não é necessário jejum.
– Importante: Enviar pedido médico, resumo da história clínica do paciente e, caso a tenha, cópia do estudo molecular familiar no qual tenha sido detectada a mutação.

 

Interpretação:
Gene: PAI-1
Mutações: DETECÇÃO DE POLIMORFISMO 4G/5G
A trombose é uma doença multigênica (diferentes mutações em genes distintos) e de natureza multifatorial, como idade avançada, imobilização prolongada, cirurgia, uso de contraceptivos, gravidez, puerpério e neoplasias. Estes fatores genéticos ou adquiridos que predispõem à trombose definem o termo trombofilia.
Os fatores genéticos envolvidos consistem em mutações em diferentes genes que codificam fatores hemostáticos, que podem ocorrer isolados ou combinados entre si. Entre os fatores de risco que podem favorecer o desenvolvimento de eventos tromboembólicos está o polimorfismo 4G/5G do promotor do inibidor do ativador do plasminogênio tipo 1 (PAI-1), localizado no cromossomo 7q21.3-22. De acordo com a bibliografia, os indivíduos homozigotos 4G/4G têm um risco maior de desenvolver doença isquêmica cardíaca que os demais genótipos.
O inibidor do ativador do plasminogênio tipo 1 (PAI-1) forma um complexo com o ativador do plasminogênio tissular (t-PA), desempenhando atividade reguladora da hemostasia. O PAI-1 tem atividade inibidora fibrinolítica. O polimorfismo 4G/5G, uma variação comum na região promotora do gene do PAI-1, consiste numa inserção ou deleção de uma guanosina, a 675pb após o sítio de início da tradução; que afeta a transcrição deste gene e, portanto, está relacionado com a concentração plasmática do PAI-1. O alelo 4G apresenta um sítio de ligação para um ativador da transcrição, o que reflete em maiores concentrações de PAI-1; enquanto o alelo 5G apresenta um sítio de ligação adicional, destinado a um repressor de transcrição, resultando em menores níveis de PAI-1 circulantes. Homozigotos para o alelo 4G têm concentrações 25% maiores de PAI-1 que indivíduos homozigotos para 5G. A presença do alelo 4G está associada com o risco aumentado de eventos tromboembólicos e doenças cardiovasculares, inclusive de 20% para o infarto do miocárdio, uma vez que inibe a fibrinólise e pode aumentar lesões teciduais, afetando negativamente o prognóstico. Além disso, altas concentrações de PAI-1 são encontradas em mulheres com aborto precoce de causa desconhecida, visto que a fibrinólise prejudicada promove a deposição de fibrina na circulação placentária precocemente.

Outros Estudos Genéticos de Trombofilias são: Fator V de Leiden, Protrombina, MTHFR-C677T, MTHFR-A1298C e CBS.

Referência:
Genótipo 5G/5G
ATENÇÃO: Alteração da Metodologia a partir de20/07/2015.
Metodologia antiga:
Reação em Cadeia da Polimerase – Tempo Real