Presbiterianismo

Quando a Igreja Presbiteriana aborda a questão da sexualidade humana, como cristãos, recorrem em primeiro lugar, à Bíblia. Embora a mensagem bíblica seja a de mostrar o eterno amor de Deus demonstrado na pessoa de Jesus, eles acreditam que ele tem muito a ensinar ao ser humano nas questões relacionadas ao sexo. Segundo a Igreja Presbiteriana Cristã, o sexo deve ser praticado no seio de um matrimônio. A Bíblia é clara ao afirmar que a união entre um homem e uma mulher deve ocorrer somente neste contexto. O adultério, a prostituição e toda forma de imoralidade em geral são condenados por Deus e distorcem seu plano para a felicidade sexual das pessoas.

Embora a cultura e os costumes modernos tentem passar para os cristãos que uma relação sexual entre solteiros ou fora do contexto do casamento não seja errada, a Igreja Presbiteriana aconselha seus fiéis a basearem-se nos inúmeros versículos bíblicos que mostram o contrário. O sexo, segundo a visão cristã Presbiteriana, não tem como objetivo somente a procriação, mas também o prazer. Dentro de seus preceitos, eles acreditam que os casais precisam repensar e explorar a sensualidade que um pode oferecer ao outro, o que muitas vezes, por ignorância, é visto como algo pecaminoso. De acordo com a Igreja Presbiteriana, quando um casal cristão explora a sensualidade para enriquecer a relação conjugal, colhe grandes benefícios. Para tanto, precisam valorizar mais os toques físicos (abraços, afagos afetuosos, etc.), o olfato (perfumes, velas perfumadas), a audição (música romântica, palavras de admiração), a visão (pessoal e do ambiente) e o paladar na relação a dois.

A Igreja Presbiteriana acredita que um bom caminho para os casais cristãos “reinventarem” suas vidas sexuais é fazerem, a dois, uma releitura do livro de Cantares de Salomão. O relacionamento sexual para os presbiterianos deve ser enriquecedor para que ambos, marido e esposa, experimentem todo o prazer que o sexo pode trazer. Para eles, Deus projetou a sexualidade para ser praticada no contexto conjugal, sendo suficiente o bastante para saciar o apetite sexual.

Não existe uma manifestação oficial da Igreja Presbiteriana do Brasil sobre a Medicina da Reprodução. O fundamental é o valor da vida humana, portanto são contrários ao aborto, exceto em caso de aborto terapêutico, quando está em risco a saúde da mãe ou quando a gravidez for fruto de um estupro. Assim, se existem técnicas de reprodução humana como os caminhos planejados para a gravidez, consideram tais procedimentos extraordinários, e sinais da aprovação divina. Se tais procedimentos colaboram para assegurar, melhorar, ou conservar a vida, não há restrições que impeçam o tratamento.

Todas as técnicas da medicina de reprodução assistida, dentre elas, o coito programado, são perfeitamente válidas, pois não existe restrição em prol da vida.E ainda, tanto a inseminação artificial quanto a fertilização in vitro, são vistas como procedimento médico científico sem interferência no aspecto moral de uma ética religiosa. Se o médico do casal acredita que a única maneira de terem filhos é por estes métodos, não há problemas.

Em relação à doação de embriões, não há nenhuma restrição desde que os doadores e receptores tenham plena consciência do que estão fazendo. Espiritual e eticamente, não há problema algum, desde que dentro do limite do respeito, da dignidade. Pode-se comparar essa alternativa como uma adoção, só que em forma de embrião.

Não existe empecilho algum do ponto de vista da ética cristã quanto ao congelamento de óvulos e embriões. Porém, uma situação paralela não abordada na pergunta trará dificuldades morais, caso o relacionamento com um homem não envolver os compromissos normais de um casamento. O problema não estaria nessa perspectiva de planejamento e sim na atitude da mulher quanto à utilização dos óvulos ou embriões, como por exemplo, o envolvimento com um homem qualquer apenas com o objetivo da maternidade. Já se, após anos, ela encontrar sua alma gêmea e resolver ter um filho dentro do matrimônio, essa atitude sim é que terá importância mediante a igreja, e não os métodos adotados.

Do mesmo modo é favorável à doação de sêmen e óvulos, pois se a doação tiver o propósito de celebrar a vida, com intuito de trazer felicidade para o ser humano, dentro da visão cristã não há problemas. Contudo, novamente ressalta que, caso haja fins comerciais, essa prática é vetada pela igreja presbiteriana.

1 comentário

Um pensamento sobre “Presbiterianismo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s