Budismo

De acordo com os ensinamentos budistas, os problemas que afligem a humanidade foram criados pelos próprios seres humanos, portanto também existe solução humana para eles. As pessoas criam os princípios, não devendo tornar-se dogmáticas, se aprisionando e gerando mais sofrimentos. O budismo entende que para o triunfo do humanismo, os seguintes pontos devam ser considerados: 1) Tudo é relativo e mutável; 2) Manifestar a capacidade de discernir a natureza relativa e mutável da realidade, bem como a autonomia saudável que não seja dominada por esta natureza; 3) Aceitar tudo que é humano, sem discriminação, não restringindo ou estereotipando as pessoas pela ideologia, nacionalidade, etnia, condição econômica e social, religião, saúde etc..

O desejo e a decisão pela paternidade, preservando a espécie e transmitindo os valores morais, culturais, religiosos e familiares são naturais e legítimos. As infinitas possibilidades de condições geradoras de dificuldades, angústias e alegrias, em todas as etapas da relação entre os pais e seus filhos são determinadas pelo carma individual e coletivo (entre os pais, pais e seus filhos, família e sociedade). Estes carmas interligados e interdependentes estendem-se além da concepção, atingindo o ciclo eterno de nascimento, envelhecimento, doença e morte.

No Budismo Nitiren as pessoas são incentivadas a procurar orientação médica adequada e a manifestar a sabedoria diante das adversidades impostas pelas doenças. Assim, não existem restrições ao uso de medicamentos e tratamentos, desde que façam parte da prática médica.

Dessa forma, a utilização dos conhecimentos aplicados nos procedimentos e técnicas de reprodução assistida (coito programado, inseminação artificial e fertilização in vitro) que permitam casais inférteis atingir em seus objetivos é legítima, e os profissionais envolvidos no tratamento podem ser considerados como agentes ou funções positivas e protetoras.

Na concepção do budismo, o destino de embriões deve ser considerado com a máxima seriedade e reflexão, pois as causas e efeitos deste ato determinarão a própria condição de vida e a felicidade das pessoas. Assim, a decisão pelo procedimento de congelamento de embriões ou doação destes, requer uma análise de consciência pessoal. Quanto ao procedimento de congelamento de óvulos e embriões, não há interferência por parte do budismo.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s